Recursos online

Esta seção fornece uma base importante na teoria do TIP que ajudará a preparar pesquisadores, profissionais de política e outros participantes para trabalharem juntos em espaços de aprendizagem na coprodução de novos conhecimentos e práticas.

Reunir as pessoas para discutir o processo de mudança que chamamos de Política de Inovação Transformativa (TIP) envolve o alinhamento de visões de mundo e linguagem para tornar possível uma conversa significativa.

Como o alinhamento é um processo mútuo, o ideal seria uma conversa prolongada. Em vez disso, produzimos um guia do usuário em cinco partes para recursos-chave. Nós o encorajamos a construir a outra metade dessa conversa lendo e vendo os materiais preparatórios e trazendo suas idéias, dúvidas e reservas para os eventos.

O início de uma jornada de aprendizagem compartilhada

O que se segue é organizado como uma jornada. Ele começa com uma tentativa de declarar o que está faltando nas abordagens atuais da política de inovação se levamos a sério o melhor atendimento às necessidades sociais. Isso é seguido por uma resposta de várias partes à pergunta de como podemos fazer isso por meio do TIP.

Na parte I, apresentamos o TIP e alguns de seus conceitos-chave. Mas para tornar o TIP operacional, vários componentes adicionais são necessários - resultados transformativos, uma Teoria da Mudança, engajamento político experimental e avaliação formativa, abordados nas partes II-V. Juntos, eles formam os principais componentes da implementação do TIP.

Resultados transformativos como um modelo para mudança

Na formulação de políticas, a abordagem tradicional é definir objetivos e, em seguida, planejar um método para alcançá-los, implementar o plano e avaliar o resultado. Com os compromissos experimentais de política (EPE), a etapa principal da abordagem é analisar o potencial para resultados transformadores na etapa de 'definição de objetivos'. Portanto, é útil começar com os 'fins' desejados - os resultados - e voltar para os outros componentes do TIP.   

Os resultados transformativos são provisórios - não sabemos o quão transformacional um EPE se revelará. Provavelmente, será um pequeno passo que pode ser combinado com outras mudanças para causar um impacto maior. Portanto, é útil ter uma 'Teoria da Mudança' mais genérica para fornecer orientação sobre a direção que estamos tentando tomar, e então ter alguns meios de avaliar as intervenções em relação aos resultados da transformação - esta etapa é chamada de 'avaliação formativa. ' 

Co-criando teoria e prática

A revisão do material anterior fornecerá uma base excelente para continuar o intercâmbio entre acadêmicos e profissionais sobre a natureza e a aplicação do TIP.

Os recursos, que foram organizados em cinco partes, fornecem um guia conceitual para o TIP - TIP na teoria. No entanto, é na prática o TIP onde ocorre a aprendizagem mais significativa - aprendizagem que fornece uma base para melhorar não apenas a teoria, mas também o mundo em que vivemos.

Estou ansioso para conhecê-lo durante o próximo evento, para obter uma compreensão mais profunda de sua experiência de implementação do TIP e para continuar a conversa.

Ed Steinmueller
Consórcio de Política de Inovação Transformativa
SPRU, Universidade de Sussex

Parte I: O que é Política de Inovação Transformativa?

Estimamos que esta parte levará cerca de 3 horas para ser concluída.

Objetivos de aprendizagem

Depois de revisar a Parte I, você deve entender o motivo da Política de Inovação Transformativa.

Você também deve estar familiarizado com alguns termos e vocabulário chave que usaremos durante eventos de aprendizagem regionais e globais, incluindo:

  • 'Mudança do sistema sócio-técnico'
  • 'MLP (perspectiva multinível)'
  • 'Interação nicho-regime'
  • 'Mudança de paisagem'
  • 'Direcionalidade'

Um terceiro quadro para a política de inovação (90 minutos)

Este artigo, escrito por Ed Steinmueller e Johan Schot, da equipe TIPC, é uma tentativa de descrever as deficiências nos fundamentos e princípios operacionais existentes para o financiamento e governança da inovação. 

Ele descreve uma direção diferente - um terceiro quadro - para pensar sobre como a inovação pode atender às necessidades sociais. 

Uma mensagem importante deste artigo é que o afastamento das abordagens existentes requer mudanças na governança do processo de política de ciência e tecnologia. Financiadores governamentais de pesquisa são chamados a assumir um papel mais ativo na cocriação de programas e projetos com as partes interessadas que visam criar mudanças sistêmicas para atender às necessidades sociais.

A perspectiva multinível como um modelo para mudança transformadora (20 minutos)

Existem muitas maneiras de compreender a natureza da mudança. Aquela que é central em grande parte do trabalho sobre as transições para um futuro mais sustentável e equitativo é chamada de perspectiva multinível, ou MLP. 

No MLP, nossas formas de atender às necessidades sociais cotidianas (realizadas em sistemas sociotécnicos como alimentação, transporte e saúde) têm três níveis:

  • 'Paisagens' - constituídas pelo governo e pela sociedade, nas quais as regras, regulamentos e padrões existentes e novos moldam as práticas dos 'regimes'
  • 'Regimes' - onde residem as pessoas (principalmente em empresas), responsáveis por atender a essas necessidades do dia a dia
  • 'Nichos' - onde existem inovadores com abordagens alternativas ou diferentes para um regime

Estes três vídeos curtos desenvolvidos pela EIT Climate-KIC Transitions Hub mostre como podemos gerar ideias de mudança usando o MLP. Cada vídeo tem como objetivo estimular o pensamento na fase inicial da experimentação de planejamento ou inovação política. 

Os níveis são referidos nos vídeos como 'macro', 'meso' e 'micro' - termos geralmente empregados em economia. Os vídeos ilustram um ponto-chave: a inovação envolve um 'avanço' do nível de nicho (micro) que perturba, força a adaptação ou substitui o regime existente (nível meso). O que falta nesses vídeos é uma visualização de como a paisagem (nível macro) pode mudar de forma que favoreçam o desenvolvimento de certos nichos e superem as práticas existentes.

Trajetórias de mudança

Prosperante em vários níveis

Mapa de contexto

Motivação e implementação do TIP (70 minutos)

Esses seis vídeos quebram uma palestra de Ed Steinmueller sobre o TIP, gravada na Science Policy Research Unit (SPRU) no Reino Unido. Pode ser visualizado sem interrupções aqui.

Na sessão, Ed aborda a motivação para o TIP (as razões para desenvolver o terceiro quadro) e os próximos passos para a implementação do TIP. Embora existam algumas partes da palestra que Ed revisaria agora, os vídeos destacam a essência do pensamento em torno do TIP que levou ao estabelecimento do consórcio.

A Parte 4 pode ser de particular interesse, sobre como a política pode abordar o mundo em que vivemos usando o pensamento do Quadro Três, e a necessidade de experimentação para desenvolver entendimentos novos e diferentes do futuro.

Introdução

Parte 1: o mundo em que estamos

Parte 2: Política de Inovação
- nos últimos 75 anos

Parte 3: Incerteza e direcionalidade

Parte 4: Fundamentos da TIP 

Parte 5: TIPC

Ferramentas complementares (35 minutos)

As seguintes apresentações de webinar introduzem conceitos e vocabulário que são úteis na análise de sistemas destinados a facilitar o compartilhamento de conhecimento e aprendizagem. 

Uma característica-chave do pensamento sistêmico do Quadro 2 (do qual o TIP se baseia) é a possibilidade de falha do sistema. Esses webinars fornecem uma base para pensar sobre como as falhas do sistema podem surgir e quais intervenções podem ser usadas para superar essas falhas. 

Análise de rede

Este webinar apresenta os conceitos e vocabulário da análise de rede - um método de mapeamento do
relação entre atores, projetos e domínios de atividade. Enquanto ouve esta apresentação, é útil pensar sobre como as idéias apresentadas podem ser usadas para diagnosticar problemas ou falhas de rede e quais ações de mitigação podem ser tomadas.

Gestão do conhecimento

Este webinar também se baseia no mapeamento como uma técnica para examinar relacionamentos. Faz referência a ferramentas de 'gestão do conhecimento', que envolvem uma análise de rede de atores, processos e programas. Um grande número de casos é identificado. Como as transições entre os slides costumam ser abruptas, é útil usar a tecla de pausa para examinar os slides individuais mais de perto. Uma série prática de etapas de análise é introduzida perto do final da apresentação (às 17:11).

Análise de rede

Gestão do conhecimento

Parte II: Resultados transformativos

Estimamos que esta parte levará cerca de 2 horas para ser concluída.

Objetivos de aprendizagem

Depois de revisar a Parte II, você deve estar familiarizado com:

  • Os doze resultados transformadores e como eles se relacionam com a perspectiva multinível
  • O papel potencial que a política pode desempenhar ao contribuir para os resultados

Pode ser útil para você pensar sobre como cada um desses doze elementos poderia estar relacionado a um processo específico de mudança que é buscado em seu contexto.

Doze resultados transformadores (15 minutos)

No TIP, existem dois níveis para uma 'Teoria da Mudança' que estabelece como e por que uma mudança desejada é esperada em um determinado contexto:

  • Em um nível mais abstrato, a mudança é direcionada às práticas dominantes existentes que estão implicadas em problemas de sustentabilidade e equidade. Nesse nível, é possível criar uma tipologia de 'resultados transformativos' que podem servir de modelo para uma Teoria da Mudança dependente do contexto mais específica. 
  • Uma Teoria da Mudança dependente do contexto envolve a análise de oportunidades e barreiras em um contexto específico, incluindo questões de crença compartilhada, normas culturais e imaginação social.

Este vídeo, produzido por Jenny Witte e outros membros da equipe TIPC, apresenta o modelo de resultados transformadores, que evoluiu a partir do trabalho anterior descrito na Parte 4 da palestra acima.

Jenny descreve os seguintes três processos amplos de transformação dirigidos pela perspectiva multinível (MLP):

  • Construindo e nutrindo nichos
  • Nichos em expansão e integração
  • Abrindo e desbloqueando regimes

Para cada um deles, existem quatro resultados transformadores, um total de doze.

Usando resultados transformadores para desbloquear a mudança (90 minutos)

Este documento de trabalho, de coautoria de vários membros da equipe TIPC, analisa os resultados transformadores e fornece dois estudos de caso que demonstram a aplicação do modelo.

O documento explica como os resultados transformadores podem orientar as atividades das agências de CTI na avaliação e reformulação de projetos, programas e políticas atuais ou novos.

Nas páginas 21-24, uma tabela de resumo conveniente destaca como a experimentação de políticas pode contribuir para alcançar resultados transformadores.

Parte III: Uma Teoria da Mudança

Estimamos que esta parte levará cerca de 1 hora para ser concluída.

Objetivos de aprendizagem

Depois de revisar a Parte III, você deve estar familiarizado com:

  • Como uma Teoria da Mudança pode ser usada para avaliar Políticas Transformativas de Inovação
  • As etapas propostas para o desenvolvimento de uma Teoria da Mudança contextual

Construindo uma Teoria da Mudança (60 minutos)

Ainda estamos trabalhando em um guia mais acessível e prático para a construção de uma 'Teoria da Mudança' no nível do contexto. 

Pp. 11-16 deste documento de trabalho, de coautoria de vários membros da equipe TIPC, descreve brevemente nossos objetivos e intenções.

Inclui um breve histórico das origens do termo 'Teoria da Mudança', seguido por uma tabela na p. 13 que duplica e simplifica os doze resultados transformadores.

Pp. 14-16 fornecem um esboço de como construir uma Teoria da Mudança contextual.

Parte IV: engajamento de política experimental

Estimamos que esta parte levará cerca de 2 horas para ser concluída.

Os dois componentes restantes da prática do TIP - engajamento político experimental e avaliação formativa - podem ser estudados em qualquer ordem. Aqui, sugerimos dar uma olhada na experimentação antes da avaliação.

Objetivos de aprendizagem

Depois de revisar a Parte IV, você deve estar familiarizado com:

  • Detalhes dos cinco modos de Engajamento de Política Experimental (EPE) identificados pela TIPC
  • Exemplos de experiências interessantes ocorrendo em países membros da TIPC
  • Como os resultados transformadores podem ser usados para ajudar a formular ou desenvolver mais EPEs

Apresentando experimentação de política (120 minutos)

Este é um resumo de política sobre compromissos de política experimental (EPEs). Ele descreve os cinco modos a seguir nos quais a experimentação pode ocorrer:

  • Experimentos de design de política
  • Experimentos de instrumento e processo
  • Espaços experimentais
  • Apoiando, conectando e avaliando experimentos sociais
  • Experimentos de cultura de governança

Ele também fornece exemplos de experimentação em vários dos países membros da TIPC. O TIP pretende ser relevante para iniciativas inteiramente novas (aquelas que visam explicitamente a transformação) e para iniciativas existentes que podem ser "estendidas" para se tornarem mais transformadoras

Você verá que os resultados transformadores são novamente repetidos. Aqui, eles nos orientam para questões sobre a natureza transformacional de uma EPE.

Parte V: avaliação formativa

Estimamos que esta parte levará cerca de 1 hora para ser concluída.

Objetivos de aprendizagem

Depois de revisar a Parte V, você deve estar familiarizado com:

  • Características de uma abordagem formativa para avaliação
  • Como os princípios do TIP podem ajudar a informar a avaliação das intervenções políticas
  • O potencial para uma Teoria da Mudança genérica, alinhada à perspectiva de vários níveis (MLP), a ser usada como um quadro para auxiliar na avaliação

 

Avaliação formativa da Política de Inovação Transformativa (60 minutos)

Este documento de trabalho fornece uma justificativa detalhada e uma explicação da avaliação formativa.

Ele usa o exemplo do programa Sueco de Inovação Orientada a Desafios para explorar o valor agregado por essa abordagem.

É também um bom resumo de todos os elementos da prática do TIP, conforme aborda cada um dos componentes (já revisamos um trecho relacionado à Teoria da Mudança na Parte III).

Antes de ler o documento de trabalho, você pode revisar o vocabulário e os termos introduzidos na Parte I e recursos anteriores. 

Se você se sentir confortável com o vocabulário, o documento de trabalho - apesar de ser de estilo acadêmico - é mais acessível.

Se você está pressionado pelo tempo, um Resumo de Política está disponível como alternativa.